Quem não gosta de passar o tempo nas redes sociais? Com o grande aumento do uso da internet, plataformas de vídeos vêm sendo cada vez mais usadas para diversas finalidades, como entretenimento, aprendizado e muitas outras. Além disso, o número de canais no YouTube para mulheres vem crescendo diariamente.

Por esse motivo, resolvemos listar 8 canais idealizados por mulheres, que promovem pensamentos de empoderamento e autoestima, os quais você deveria conhecer agora mesmo. Curiosa para ver a lista? Então confira mais a seguir!

1. JoutJout Prazer

Se você ainda não conhece a Jout Jout, pare tudo o que está fazendo e corra para o canal! Ela se chama Júlia e cria vídeos caseiros, com a ajuda de seu ex-namorado Caio, falando de questões que caíram nas rodas de conversa de que participa.

Temas como relacionamentos abusivos, feminismo, independência emocional e amor próprio são muito recorrentes no seu trabalho. Além disso, ela trata todos os assuntos de forma descontraída e engraçada, mesclando conhecimento com entretenimento.

2. Hysteria

Mais um canal no YouTube para mulheres, Hysteria é composto por um conjunto de vídeos feitos por mulheres de diversos lugares, tratando da representação da mulher na literatura e no cinema, discussões feministas, paz espiritual e muitos outros assuntos.

A produção do canal é feita com várias séries e curta-metragens, que reúnem youtubers, blogueiras e influencers para falar daquilo que entendem e vivem no dia a dia. Vale a pena conferir!

3. Afros e afins

Nátaly Neri, cientista social e criadora do canal, produz seus vídeos para tratar de assuntos como racismo, moda consciente, feminismo negro, vegetarianismo, política, LGBTQ+ e diversos outros itens. Com discussões muito inteligentes, ela promove reflexões e pensamentos importantes sob a perspectiva de uma mulher, negra, de origem humilde e com um namorado trans.

4. Me poupe!

Nathália Arcuri é uma jornalista que entende muito de controle de finanças, tanto que conta como começou a economizar aos 8 anos de idade para comprar seu primeiro carro. Essa organização fez com que ela alcançasse o primeiro milhão bastante jovem.

Seu principal objetivo com o canal é instruir mulheres a conquistarem a famosa independência financeira e, com isso, ela oferece dicas para economizar, investir e fazer o seu dinheiro render.

5. Tá querida

Luiza, a idealizadora do Tá Querida, costuma conversar com o seu público sobre assuntos como o corpo da mulher, autoaceitação, conscientização, beleza e feminismo. Sempre mostrando seus relatos, ela luta pela desconstrução de padrões de estética, que fazem com que muitas mulheres odeiem as suas próprias curvas.

6. Hel Mother

Helen Ramos, em seu canal, abre a verdade sobre os desafios de ser mãe solo. A jornalista retrata as partes boas da maternidade e também as dificuldades trazidas ao assumir esse papel, tanto na sociedade quanto com a própria criança.

Com essa quebra de paradigmas, ela consegue tranquilizar muitas mães que, por não serem perfeitas, acabam sentindo que estão falhando na criação de seus filhos.

7. Nunca te pedi nada

Maíra consegue tratar de temas desde a objetificação das mulheres até relacionamentos tóxicos. Por meio de uma linguagem bastante jovem e descontraída, é possível aprender e absorver novas perspectivas sobre feminismo, papel da mulher na sociedade e muitos outros assuntos.

8. Ellora

Como ela mesma diz, Ellora dá os conselhos que não recebeu. Como uma jovem que passou por problemas de bulimia durante a adolescência e que agora está em processo de aceitação do próprio corpo, a youtuber fala bastante sobre responsabilidades, saúde mental, relacionamentos interpessoais, autoestima e muitos outros assuntos.

Usar a internet a seu favor, como para conhecer canais no YouTube para mulheres, permite que você dê mais atenção a muitas coisas sobre si mesma, aprendendo a se amar mais, ter empatia com as pessoas, desenvolver a sororidade e, de quebra, entender que o seu lugar como mulher é onde você quiser.

Curtiu essas dicas de canais? Então deixe nos comentários alguma youtuber que você segue e não citamos aqui!

Escreva um comentário